Seguidores


O que são espinhas?

1


As espinhas são bactérias. Na adolescência, o aumento da produção de hormônios estimula a formação de sebo pelas glândulas da pele. Quando o sebo não sai inflama a glândula e forma uma lesão vermelha: a espinha. E como na pele tem um monte de bactérias, uma delas chamada propiniumbacterium acnes ( uuuuuuu ) faz uma infecção com pus que é a espinha infectada, chamada de “comedão” quando a inflamação é muito grande. Aparecem mais no rosto, no peito e nas costas.

Se espinha é bactéria, a gente pega?
A espinha não pega. Sabe por quê? Porque a espinha tem bactéria, mas não é bactéria. O pus da espinha é que é cheio de bactérias. E estas bactérias prá se multiplicarem precisam da espinha já formada
.

Uma dúvida: posso tratar as espinhas em casa? Dra Ana responde

Como tratar as espinhas?
Há um monte de remédios prá tomar e prá passar. Mas cada tratamento é diferente e não serve para todo mundo. Nunca use remédios sem orientação médica. Se as espinhas estão te incomodando, procure um pediatra ou dermatologista.

E se eu tiver poucas espinhas?
À noite, antes de dormir, lave o rosto com um sabonete neutro e passe sobre as espinhas uma solução que você faz em casa assim: em um copo de água limpa coloque 1 colher de chá de bicarbonato de sódio. Misture e passe com um algodão nas espinhas. Isso muda o pH da pele e dificulta o crescimento das bactérias.

Chocolate ou outros alimentos dão espinha?
Depende de cada um. Isso vale pra outros alimentos. Cada um tem uma tolerância. Experimentar (e respeitar os limites) é uma forma de descobrir quem você é.

Devemos espremer as espinhas?
NUNCA. Não se deve espremer as espinhas, pois você pode piorar a inflamação e o pus que sai, que é cheio de bactérias, contamina sua mão e as espinhas vizinhas. Além disso, se você piorar a inflamação pode ficar com uma cicatriz prá sempre. Mau, né?




Quantas sacolas plásticas você já usou este ano?

0

 Perdeu as contas? 
A natureza continua contado! 

Vamos aproveitar a época mais consumista do ano, o Natal, e repensar nossas compras. Cerca de 30% de todo o lixo produzido no Brasil é formado por embalagens e isso causa grande impacto ao meio ambiente. Pense antes de comprar e dê sempre preferência a materiais recicláveis. Na hora de embrulhar os presentes, evite o excesso de embalagens, especialmente de materiais como isopor e papel plástico.

Para evitar a geração desnecessária de resíduos, opte por embalagens mais simples e que possam ser reutilizadas. Na hora do descarte, encaminhe o material para reciclagem.Use o menor volume possível de materiais para o embrulho e diminua os resíduos pós-festa.




Na sua casa, você pratica a sustentabilidade?

0

3 pequenas ações que sustentáveis para o cotidiano:

-Acostumar a levar sacolas retornáveis 
-Não descartar o óleo de cozinha utilizado na pia (reservar e encaminhar para cooperativas que fazem sabão)
-Reduzir o consumo de descartáveis - optar por embalagens retornáveis ou recicláveis, sempre que possíve



Uma dúvida: é normal oscilar o humor ao longo do dia?

1


Sábado de férias na praia. Abrimos a janela pela manhã e nos deparamos com um dia lindo, céu azul, calor gostoso, sem uma nuvem no céu e o dia livre para o que aparecer pela frente. Muito bom, não é mesmo? E se... neste mesmo dia ao abrir a janela tiver uma chuvinha fina, um pouco de frio, céu carregado, mar cinza e bravo? Sem chance de sair, as crianças pequenas vão ficar brincando dentro de casa... Que situação!

A partir destes dois cenários é fácil entender que o ambiente interno e o externo influenciam nosso humor.. O “ambiente” interno está relacionado com a nossa personalidade que, por sua vez, pode ser moldada por fatores genéticos, físicos e culturais. Algumas pessoas são mais efusivas e naturalmente, alegres e extrovertidas. Outras são mais tímidas, introspectivas, levam a vida com extrema seriedade e se tornam até melancólicas. O ambiente externo, por outro lado, é ágil e pode mudar rapidamente. Por isso nosso humor oscila tanto ao longo do dia. Vamos a um exemplo: dia calmo, de repente alguém bate no seu carro e ainda por cima sai te xingando! Como você reagiria? Agora imagine um italiano, um inglês ou um oriental reagindo a esta mesma situação!

Outros exemplos mais cotidianos e corriqueiros: uma fofoca maldosa a seu respeito, uma palavra de alguém importante para você dita na hora errada, uma lista de trabalho que seu chefe te obriga a executar de uma hora para outra... enfim... muitas e variadas situações nos fazem oscilar o humor.

Algumas pessoas são mais tolerantes, outras menos. Tudo normal, todos normais. Bom e mau humor fazem parte do dia a dia. O importante é não se deixar levar por reações desmesuradas ou de tamanho maior que o necessário. Isso acaba não só com o seu, mas também com o dia de quem está ao seu lado.

Procure encarar os desafios da vida com leveza e bom humor! Tudo fica mais fácil.




Fone: facebook Dra Ana Escobrar. 

Água ozonizada é um poderoso sanificante.

0


Saiu no Fantástico do dia 22/09 que lavar carnes cruas, como frango e peixe, pode trazer riscos à saúde,pois as bactérias podem se espalhar e contaminar outros alimentos e ainda a simples lavagem não diminui a contaminação as bactérias que geralmente vêm nesses alimentos, em vez de irem para o ralo, podem se espalhar ao redor da pia.
É um hábito comum lavar o frango antes de ir pra panela, mas este hábito pode estar prejudicando a segurança dos alimentos, pois a bactéria que está no frango, será cozida e morta, mas na pia pode espirrar no prato da comida, ou nos outros alimentos, e isso vai acabar contaminando, afirmou a microbiologista Maria Teresa.
Das bactérias que podem estar presente no frango, duas  são consideradas mais patogênicas: salmonela e campilobacter. Este microrganismos podem causar diarreia e o campilobacter, além da diarreia, pode causar uma doença auto-imune
Duas universidades dos Estados Unidos lançarem a campanha “não lave seu frango”. Uma pesquisa mostrou que 90% das donas de casa e cozinheiros americanos costumam lavar o frango antes de cozinhá-lo.
Mas o que a reportagem não mostrou foi que existe uma alternativa: água ozonizada é um poderoso sanificante, muito eficaz na lavagem de carnes, aves, peixes e legumes. O ozônio tem amplo espectro de ação, atuando sobre bactérias, vírus, fungos filamentosos e leveduras, e sobre formas esporuladas. A concentração e o tempo de ação são menores que os exigidos pelo cloro, com a grande vantagem de não deixar resíduos, pois se transforma em O2.
Durante a lavação das aves, a água ozonizada auxilia na limpeza e remoção de microrganismos contaminantes. O ozônio aplicado aos alimentos reage rapidamente sofrendo uma posterior inativação. O residual de ozônio, como consequência, é muito baixo ou nulo.  Essas propriedades permitem a ingestão de alimentos ozonizados sem oferecer qualquer risco à saúde. O tratamento com ozônio é capaz de remover  até 78% dos microrganismos aeróbios dos alimentos, 91% dos coliformes, 91% dos coliformes fecais e 81% das salmonelas. (TORRES, ROGÊ-FERREIRA e RIMOLI, 1996).
Inúmeras publicações científicas demonstram que água ozonizada com uma concentração de 0,15 a 0,20 mg/L pode destruir  efetivamente microrganismos deteriorantes (Pseudomonas aeruginosa e Zigosaccharomyces bailli), contaminantes fecais (Escherichia coli e Enterococcus fecalis) e patógenos causadores de infecções alimentares (Listeria monocytogenes, Bacillus cereus, Salmonella tiphymurium, Yersinia enterocolitica e Staphylococcus aureus)
O ozônio não altera as características organolépticas da água. Sua ação sobre os microrganismos é muito eficaz, além de não deixar resíduos tóxicos ou carcinogênicos nos alimentos, se concentrações adequadas forem utilizadas (Torres et al., 1996).
Na Europa, o ozônio vem sendo utilizado há várias décadas na indústria de alimentos. Ele é empregado na maturação da sidra e do vinho, na sanificação de carnes e no armazenamento de alimentos, retardando o crescimento de microrganismos deteriorantes (Torres et al., 1996; Rice et al., 1997).
Atualmente, o uso do ozônio para contato direto em alimentos é regulamentado na França, Japão, Austrália, entre outros. Nos Estados Unidos, em 1997, recebeu do FDA o titulo GRAS (Generally Recognized As Safe) como aditivo para alimentos. Em 2001 o mesmo FDA emitiu parecer (21 CFR, Sec 173.368, subpart D) recomendando o uso seguro do ozônio (na forma gasosa ou aquosa) como aditivo para contato direto em alimentos incluindo produtos cárneos, com  seguinte texto: “ozone may be safely used in the treatment, storage and processing of foods, including meat and poultry” (o ozônio pode ser seguramente utilizado no tratamento, armazenamento e processamento de alimentos, incluindo carne e aves)
A O3R possui equipamentos que podem ser utilizados para sanificação de alimentos. Entre em contato conosco para saber mais.



Gerar lixo sem necessidade!

0

Usar copos descartáveis é gerar lixo sem necessidade! Pode até ser prático, mas usar um copo novinho em folha cada vez que bate a vontade de beber alguma coisa gera resíduos desnecessários e a fabricação desses copos emite CO2 e outros gases na atmosfera. 

Só nos EUA, a fabricação, o transporte e a reciclagem desses materiais produzem gases que se equiparam aos de uma frota de 1,3 milhão de carros durante um ano. Sem contar que cada copinho pode levar mais de 100 anos para se decompor na natureza.

Se você usar dois copinhos descartáveis em um dia de trabalho, por exemplo, são 10 por semana, 40 por mês – que foram para o lixo só para você dar alguns goles. As canecas são boas alternativas. Apesar de você precisar lavá-las, a quantidade de água utilizada não chega ao total necessário para fabricar os copinhos.

Para atenuar esse desperdício bastam algumas atitudes simples:

- Deixe uma caneca na mesa onde você trabalha ou estuda e tome água nela toda vez que tiver vontade. Empresas podem estimular a prática entre os funcionários. Se cada um levar a sua, a redução no gasto com copos plásticos já será considerável. Se no local onde você trabalha não há esse incentivo, comece por vontade própria.
- Carregue na bolsa ou mochila uma garrafinha de água. Mesmo que seja de plástico, você pode usar a mesma por muito tempo, sem precisar jogar fora

Fonte: O3R Tecnologia em Ozônio.



Descontaminação de água.

0
Casca de banana poderá ser usada para descontaminação de água. Uma uma pesquisa do Centro de Energia Nuclear na Agricultura da USP identificou a potencialidade da casca de banana na descontaminação de águas poluídas pelos agrotóxicos atrazina e ametrina, utilizados em plantações de cana-de-açúcar e milho.

Em amostras da pesquisa, as águas contaminadas ficaram livres dos princípios ativos após o tratamento, para o qual as cascas de banana são trituradas e peneiradas após serem secas em forno a 60ºC.

A casca da banana apresenta grande capacidade de adsorção de metais pesados e compostos orgânicos principalmente devido à presença de grupos hidroxila e carboxila da pectina em sua composição. Esse tipo de remediação poderá ser utilizada, principalmente, para tratamento de água de abastecimento público provenientes de regiões com intensa prática agrícola.

Fonte: Agência USP







Foi pelo ralo...

0


Foi pelo ralo... A infinidade de coisas jogadas nos ralos é um problema sério. Cotonetes, restos de comida, óleo ou a poeira varrida da casa - com o tempo, essas coisas se transformam em obstruções nos encanamentos que podem provocar graves entupimentos na rede de esgotos ou em casa.

E o "inocente" fio dental é um dos maiores vilões: fabricado com materiais cada vez mais resistentes, seu acúmulo acaba formando uma rede que prende outros materiais, obstruindo as tubulações.O excesso de produtos químicos de limpeza é outro problema frequente, pois pode prejudicar o próprio sistema de tratamento dos esgotos, tornando-o ineficiente.

Nos locais onde não há tratamento de esgoto o descarte inadequado de produtos pelo ralo costuma agredir diretamente o ambiente. Isso porque os dejetos acabam sendo lançados nos rios, córregos e no mar, na maioria das vezes causando mau cheiro e a morte de animais e plantas.

E na sua casa, você está fazendo sua parte? Explique a toda família porque náo devemos jogar tudo pelo ralo...





Regrinhas de etiqueta à mesa

0

Ao ir em um restaurante, normalmente precisamos seguir algumas regrinhas de etiqueta à mesa, certo?
Afinal, nem sempre conseguimos decorar a linguagem e o que significa a posição de todos os talheres. Mas para lhe ajudar, que tal essas dicas?





Qual a taça ou o copo ideal para cada bebida?

0

Atualmente, nos deparamos com uma grande variedade de copos e taças, não é? Essas peças, por sua vez, trazem charme e aquele toque de decoração à mesa. Mas com tantas cores e formatos, a seguinte dúvida surge: qual a taça ou o copo ideal para cada bebida?
A escolha correta é fundamental e o diferencial na hora de servir. 

Agora, receber os convidados ficará muito fácil - já aquele jantar, muito mais requintado.
Curtiu essa dica?